Quarta-feira, 30 de Maio de 2007

Portugal pais de Emigrantes

     Sou filho de ex-emigrantes. Nasci noutro pais que não Portugal pois os meus pais encontravam-se lá a trabalhar. Os meus pais enquanto estiveram fora sempre estiveram em pé de igualdade em relação aos demais trabalhadores e nunca foram prejudicados por serem estrangeiros, muitas vezes foram beneficiados pois eram excelentes profissionais e davam o litro. Já tive empregados e nunca me aproveitei deles a nenhum nível, nem nunca seria capaz de me aproveitar por serem emigrantes e estarem ilegais.  Acho que é a coisa mais vil que se pode fazer a um ser humano. Trabalhar e ganhar menos por estar ilegal, é escravidão.
   Ontem tive uma reunião que envolvia um casal de brasileiros que está ilegal em Portugal e conversa puxa conversa fiquei a saber que a miúda trabalhava num cabeleireiro e que ganhava 250 euros de ordenado. Eu pensava que era o ordenado base mais as comissões, mas nada disso, eram 250 limpos. Contou-me que trabalhou noutro salão e que num mês tinha  a receber 1000 euros em comissões e quando chegou a altura de os receber a patroa só lhe pagou 300 euros, dizendo que se lhe desse o acordado ela ganharia mais do que a casa.
   Pode-se dizer que estão ilegais e se são apanhados a trabalhar o patrão leva uma multa mas mais vale não ter um ilegal a trabalhar do que aproveitar-se deles. Devia estar tudo na legalidade, patrões e empregados para que não existam estas explorações.
   Podem dizer que os brasileiros não valem nada mas quando trabalham 12 horas e lhes são pagos 400 euros por mês, já valem. É mesmo exploração.
   É uma vergonha o que se passa neste pais, demais a mais sendo o pais que é, onde uma grande parte da população  é ou foi emigrante.

publicado por Notasenroladas às 13:39
link do post | comentar | favorito

Empresa na Hora

  Há sensivelmente 3 meses criei uma empresa na hora. Realmente foi rápido, paguei 400 e tal euros e fiquei com uma empresa. Magnifico pensava Eu. Em seguida  teria que juntar 15 documentos para poder pedir  o licenciamento da minha firma. Demorei mais um mês para juntar tudo e conseguir arranjar um seguro exigido pelo organismo que tutela a minha actividade. Consegui fazer tudo, pensava Eu. Fui entregar a papelada feliz da vida e passados 2 meses fico a saber que afinal tinha uma coisa mal. Ridículo . Demoraram 2 meses a ver uns papeis para descobrir um erro. No dia em que fui entregar  os papeis ninguém me disse nada, simplesmente demoraram uma hora para receber uns miseráveis papeis e conferi-los, tendo Eu estado umas duas horas à espera. Eu bem que tinha visto que aquilo funcionava mal, pela lentidão dos funcionários e pela falta de qualificação para atender o publico. Coisa que aliás me tirou do sério e pela qual até me dignei a pedir desculpa ao estúpido do funcionário , o que aliás actualmente me arrependo pois o tipo era realmente um vegetal.
  Após conhecimento da existencia do erro, do qual tomei conhecimento através de telefonema que fiz, que tem haver com o objecto da empresa, ou seja, diminuir umas palavras que estão lá escritas, fui à conservatória para alterar o objecto e colocar tudo bem. Foi o cabo dos trabalhos, instalei a confusão, já queriam que fosse ao Registo de Pessoas Colectivas alterar o Cae e isso. Dizia Eu, não quero alterar nada , quero restringir o objecto. Lá falaram com a  Doutora e lá consegui resolver as coisas com muita papelada pelo meio, e mais 200 euros e se fosse com urgência seriam 400 ( Percurso normal demoram 3 meses a dar o papel, com urgência é no dia a seguir ). Para rir. Descobri uma maneira de resolver a situação que é a seguinte, espero 11 dias e vou lá pedir urgência e não pago mais nada.
  Com esse papel na mão terei de ir novamente entregar tudo certinho e esperar, esperar e esperar e depois gastar e gastar.
  Tenta-se resolver as questões de um lado e cria-se dificuldades do outro. Acho que a gestão de certos organismos públicos devia de ser feita por entidades privadas, pois quem anda a querer criar actividades que ponderão dinamizar a economia encalham na burocracia, na incompetência e no deixa andar da maior parte do funcionalismo publico.       É o mesmo que colocar pedras nas rodas dentadas, só criam dificuldades.
  
sinto-me: Bem

publicado por Notasenroladas às 13:04
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Maio de 2007

Deus Lusitano Endovélico

Endovélico era um deus da Idade do Ferro de medicina e segurança, de caráter simultaneamente solar e ctônico, venerado na Lusitânia pré-romana. Depois da invasão romana, o seu culto espalhou-se pela maioria do Império Romano, subsistindo por meio de sua identificação com Esculápio ou Asclépio, mas manteve-se sempre mais popular na Península Ibérica, mais propriamente nas províncias romanas da Lusitânia e Bética.

Endovélico tem um templo em São Miguel da Mota no Alentejo em Portugal, e existem numerosas inscrições e ex-votos dedicados a ele no Museu Etnológico de Lisboa. O culto de Endóvelico sobreviveu até ao século V, até que o cristianismo se espalhou na região.

tags:

publicado por Notasenroladas às 13:48
link do post | comentar | favorito

" São uns cobardes "

O único jornalista que conseguiu infiltrar-se no movimento skinhead espanhol fala das ligações dos neonazis com o futebol, com a polícia, a música e a extrema-direita portuguesa. E como os jovens cabeças rapadas são usados por interesses mais altos. Leia aqui a entrevista na íntegra
Luís Ribeiro, em Madrid / VISÃO nº 738    26 Abr. 2007
Antonio Salas não revela o seu verdadeiro nome nem destapa a cara para a foto. Sabe que a caça começará quando a sua identidade for pública. O jornalista viveu durante quase um ano no meio dos neonazis, como se fosse um deles, a gravar tudo com uma câmara oculta. O seu livro, Diário de Um Skin, foi esta semana editado em Portugal pela D. Quixote, depois de ter sido o maior best-seller em Espanha, em 2003. Ali se descreve um mundo de incoerências, em que latinos idolatram um Hitler que os consideraria sub-humanos. Em que o futebol se transforma num palco político e a prisão numa catapulta para a lenda. E onde se inspira ódio e expira violência.

De onde vem o ódio dos skins?
Do medo. Têm muito medo do que não conhecem e do que não compreendem: homossexuais, estrangeiros, outras raças. Mas esse é um ódio que tem de ser renovado constantemente, senão desaparece.

Honra e lealdade são duas das palavras mais repetidas por neonazis. Praticam-nas?
Na realidade, sim. Existem traidores, como em todos os grupos. Mas uma das coisas que mais me surpreendeu (e surpreenderam-me muitas coisas) foi a irmandade, a lealdade entre eles. O que me fez sentir culpado e ter de recorrer a um psiquiatra, quando terminei a investigação - por causa desse sentimento de culpa de ter atraiçoado os meus camaradas, que me trataram com uma lealdade e uma fidelidade que me envolveram.

Diz que 90% dos neonazis se distanciam dos movimentos quando conseguem uma relação estável ou uma família. O nazismo é apenas uma forma de preencherem uma vida vazia?
Eles entram muito jovens e quando atingem a sua primeira relação emocional, quando se casam ou têm filhos, ou quando têm o seu primeiro trabalho sério e entram dentro do capitalismo, compram um carro ou uma casa, aos poucos vão-se desligando do movimento skin.

Convertem-se ao capitalismo que tanto odeiam?
Claro. Tal como os jovens comunistas. Quando me infiltrei nos movimentos de extrema-esquerda, percebi que o sentimento desses jovens idealistas que querem acabar com o sistema se alivia quando têm o seu primeiro carro ou casa. O idealismo dos skins é igual: um fenómeno universal de juventude de luta por ideais.

Escreve que muitos pertencem às classes média-alta e alta. A opção deles também nasce na educação? Os pais alheiam-se ou são coniventes?
Responsabilizo os pais por todos os skins. É impossível que um filho se converta num cabeça rapada e o pai não se dê conta. Se rapa o cabelo, se se enche de tatuagens de suásticas, qualquer pai se apercebe. Acontece que muitos skins provêm de famílias fascistas, que continuam essa tradição de extrema-direita, trocando Salazar ou Franco pela suástica e pelo III Reich.

A ideologia está irremediavelmente cravada nos jovens que conheceu?
Todos têm saída. O mais importante do meu trabalho é ter contribuído para que centenas de rapazes e raparigas abandonassem o movimento, como percebi pelos mails que me mandaram.

Mas largar o movimento não significa deixar de ser racista ou xenófobo...
Claro. O racismo está intimamente ligado ao nacional-socialismo. A minha conclusão foi que uma imensa maioria de rapazes e raparigas são idealistas que realmente acreditam em todas estes disparates da supremacia da raça branca, da Europa branca. Mas uma das coisas que os fez aperceberem-se do absurdo foi saberem quem está por detrás. E foi esse o meu objectivo. Escrevi o Diário de um Skin para eles, para ir mais além do que eles próprios conhecem, explicar-lhes como são utilizados pelos líderes dos clubes de futebol, dos partidos, do tráfico de mulheres. [Um dos cabecilhas que Antonio Salas conheceu é dono de vários bordéis e recruta mulheres africanas e brasileiras, apesar do seu discuros anti-prostituição e anti-imigração.]

Esse racismo é movido por experiências pessoais?
Não porque tiveram uma experiência pessoal, mas porque crêem que a tiveram. O discurso que apreendem todos os dias diz que os imigrantes ocupam o seu posto de trabalho (mesmo que seja um trabalho que nem um português nem um espanhol querem ocupar). A música e as publicações neonazis alimentam esse ódio, para que não deixem de pensar que têm essa experiência pessoal todos os dias.

Os skins mostram-se muito violentos, mas aparentemente só quando estão em grupo.
São uns cobardes, sim. A mim não me preocupa encontrar-me com um ou dois. Todas as suas acções são feitas em manada. São como os lobos: apenas caçam em grupo. O Mário Machado, por exemplo, tem mesmo um blog que se chama Homem Lobo. No fundo, são profundamente cobardes. Há excepções, claro. Alguns cometem assassinatos sozinhos, mas esses são apenas psicopatas.

Diz que um dos seus objectivos é «triunfar em democracia sem acreditar nela». Têm consciência das suas incoerências?
Não. Tal como acontece nas seitas, alimentam-se das suas próprias publicações, revistas, do que lhes dizem os seus líderes, e não têm contacto com outros grupos. Logo, nunca se dão conta das contradições. Quando estão lá dentro, a música que ouvem é a música Oi! [de cariz nazi], as revistas que lêem são nacional-socialistas, as manifestações a que vão são de extrema-direita. Daí absurdos como haver cabeças rapadas com traços indígenas no Chile, no Uruguai, no Brasil. É um absurdo. Os próprios espanhóis e portugueses são hispânicos, sub-humanos de acordo com a ideologia nazi. Nós sabemos isso, mas lá dentro estão tão embriagados por essa sensação de manada e de poder que não se apercebem de nada.

No livro, fala de uns jovens da Galiza que tentam organizar, em Espanha, uma filial do Klu Klux Klan - um grupo fanático que odeia os países católicos e os hispânicos. Eles sabem isso?
Sabem, mas acreditam que pertencem a essa raça branca supostamente superior. Por exemplo, quando se conhece um skin latino-americano, percebe-se a sua ascendência indígena. Mas eles acreditam que são descendentes do sangue branco de Fernando Cortéz, do sangue branco que levaram os espanhóis e os portugueses. Buscam uma justificação, porque é sedutora a sensação de pertencer a esse clã. Por muito absurdo que seja.

Outra inconsistência é concordarem com acções terroristas islâmicas, apesar de todo o seu ódio aos mouros. Isso notou-se no 11 de Setembro?
No 11 de Setembro, muitos nazis espanhóis felicitaram os terroristas, por terem atacado o centro aconómico judeu dos EUA. Mais do que o integralismo islâmico, os nazis apoiam qualquer causa contra os judeus, como a Palestina. O inimigo do meu inimigo é meu amigo.

Mas depois veio o 11 de Março, em Espanha...
Pois, aí aumentou o ódio aos árabes. Mas continuaram a participar em manifestações pela Palestina, contra os judeus.

No meio da sua admiração por Hitler, os neonazis espanhóis e portugueses têm consciência de que o seu ídolo estaria longe de os considerar membros de pleno direito da raça ariana?
Creio que não. Para isso, teriam de ler toda a informação que, acreditam, está manietada pelos judeus. Por exemplo, conheci um tipo que estava a aprender alemão para poder ler «A minha luta» na sua língua original. Chegou a lavar o livro, porque podia ter passado por mãos judias. Eles não se alimentam das fontes de informação que consideram estar contaminadas: recorrem aos trabalhos dos revisionistas. Essa informação diz que não existiram as câmaras de gás, o holocausto, Hitler via toda a Europa como a raça branca pura. Não fazem ideia que nós, latinos, iríamos passar maus momentos às mãos de Hitler.

A liderança dos neonazis é um monstro com várias cabeças dispersas. Sentiu que eles, como o povo judeu, esperam por um messias?
Eles não, mas os seus líderes sim. Na verdade, Espanha e Portugal são os dois últimos redutos da Europa em que a extrema-direita não conseguiu uma representação parlamentar - e esperemos que assim continuem. No resto do Continente, conseguiram, e usando o mesmo cavalo de batalha que os nazis portugueses: a imigração, neste caso das antigas colónias e do Brasil. Essa suposta ameaça é do que os líderes políticos se servem para conseguir votos. Mas todos os níveis políticos da extrema direita procuram por todo o mundo um líder que seja o novo fuhrer. Aliás, há até quem tenha deixado crescer aquele bigodito para se aproximar, pelo menos esteticamente, da imagem de Hitler.

Porquê essa excepção de Portugal e Espanha?
Porque sofreram a ditadura durante muitos anos. Ainda não desapareceram as pessoas que viveram nesses regimes. Embora os filhos dos seguidores sejam muitas vezes os que integram movimentos skins, também há vítimas que sabem o que ocorreu nessas alturas.

As ligações ibéricas são muito fortes?
Absolutamente. Trabalham lado a lado em concertos e manifestações. Têm as mesmas distribuidoras discográficas. Um português que queira adquirir bibliografia revisionista tem de ir à Livraria Europa, em Barcelona.

E há diferenças entre skins portugueses e espanhóis?
Os grupos portugueses são mais consequentes e menos cobardes, na hora das suas actuações públicas. A sua presença mediática também é muito maior. Em Espanha, existem personagens que poderiam ser, como o Mário Machado, elementos de liderança, que cumpriram pena por homicídio, mas não tiveram a mesma presença nos meios de comunicação. Em Portugal, têm mais presença mediática e são mais activos do que os espanhóis.

Essa visibilidade tem consequências: Mário Machado está novamente preso.
Sim, e eles lá dentro não têm vida fácil. Mas, na maioria dos casos, um skin que sai da cadeia continua a ser um imbecil. A prisão serve para se afirmar no movimento, para ganhar poder. O Machado era apenas um porteiro de discoteca e converteu-se num líder político.

Esses exemplos não fortalecem o movimento, ao dar-lhe novos mártires?
É possível que sim, sobretudo em Portugal, por causa da tal projecção nos media. Em Espanha, personagens como Machado, que cumpriram pena, não têm visibilidade nos meios de comunicação. São conhecidos, mas apenas por quem já está dentro da comunidade.

Culpa dos jornalistas?
Nós temos a obrigação de dar a conhecer a realidade social. É para isso que trabalhamos. No caso de Diário de um Skin, recebi algumas críticas, por lhes dar publicidade. Mas a resposta a isso está nas centenas de mails que recebi de miúdos a largar o movimento por se aperceberem que aquilo não era exactamente como lhes contavam.

Qual a importância da Internet nestes movimentos?
É fundamental. Antes, os grupos neonazis só tinham as fanzines. Os sites nacional-socialistas foram uma revolução tremenda. Os grupos portugueses e espanhóis não tinham nenhum contacto entre si. Entretanto, internacionalizaram-se, organizam campanhas juntos, vendem os seus produtos através da Net.

Os movimentos neonazis estão a ganhar força?
Rotundamente sim. Estão a crescer de forma directamente proporcional ao aumento da imigração. Isso é imparável. Quantos mais imigrantes chegam à Europa - e duas das portas fundamentais são Portugal e Espanha -, mais pessoas se aproximam dos grupos racistas. O crescimento é difícil de quantificar. Mário Machado fala em 400% de aumento nos últimos anos. Isso não me surpreende.

PUBLICIDADE
Acredita que um dia vão atingir um poder efectivo?
Gostaria de acreditar que não. Sendo certo que a imigração é um problema para a Europa, outras organizações não-fascistas, integradoras, compensam os neonazis. Haverá cada vez mais nazis, mais violência, mais mortos, assasinatos, agressões a imigrantes. Mas também haverá uma maior consciência de que a violência não é solução.

Quem apoia financeiramente estes grupos?
Distribuidoras discográficas e editoriais, clubes de futebol (que também se alimentam deles: as claques ultra são das maiores consumidoras de material de merchandizing). E este apoio é descarado e absoluto.

Por que razão é que os clubes de futebol ajudam as claques com tendências neonazis?
Essa é outra das coisas que não percebia, antes da investigação. Primeiro, porque muitos dos membros de um grupo ultra, como os 1143, em Portugal [Sporting], são sócios do clube. Votantes, que podem decidir quem vai ser o próximo presidente. No caso dos Ultrassur, do Real Madrid, eles apoiavam o «seu» candidato. Mais: eu saí literalmente afónico do estádio, a apoiar a equipa a gritar durante 90 minutos. Ninguém grita mais alto dos que os ultras. E isso até os jogadores notam, sobretudo quando jogam fora. Não lhes importa [aos clubes] que depois, fora do estádio, matem um negro. Daí que os jogadores posem para a fotografia com produtos dos ultra, como fizeram Figo, Guti, Casillas, Raul. Quanto vale um spot publicitário destes? Quanto vale a imagem de um Figo a anunciar os produtos que vendem?

Os clubes fazem tudo o que podem para ajudar a suprimir os neonazis das suas claques?
Só quando matam alguém. Quando ocorre uma morte, os meios de comunicação dão-lhe uma repercussão mediática e os clubes vêem-se obrigados a fazer alguma coisa. Mas é muito difícil para um clube renunciar aos seus ultras. Pelo apoio, pelo merchandizing que eles compram. E também por medo. Há o caso de jogadores que foram agredidos por ultras, como aconteceu no Atlético de Madrid, por não lhes dar apoio público. Esse também é um factor a ter em conta.

O futebol é o que provoca a violência ou apenas uma justificação?
É só uma justificação. Essa violência está presente em qualquer acto da comunidade skin. As letras das canções, os discursos políticos, o ódio que se renova todos os dias. Além disso, o futebol é também um meio de fazer passar a imagem. As bancadas transformam-se, nesse momento, numa TV para o mundo. Eles sabem que num jogo há mais câmaras do que em qualquer manifestação de neonazis. Uma simples faixa contra a imigração será vista em todo o mundo.

Qual é a importância da música no movimento?
Fundamental. A primeira vez que me apercebi dessa importância foi com um grupo português, os Evangélico. Fazem parte da Ordem Lusa, uma das organizações mais antigas em Portugal. A música é o meio para transmitir a mensagem aos jovens. Um rapaz de 16 anos aborrece-se com um encontro político sobre a história da supremacia racial. Num concerto, a mensagem é transmitida com muito mais força e energia do que 40 meetings políticos. A música dos grupos patrióticos e nacionalistas não é apenas música, é propaganda política.

Qual foi o sentimento que mais experimentou, na sua relação com os neonazis?
O medo. Quando ouço a palavra «medo», lembro-me de La Bodega [um bar de skins, nos subúrbios de Madrid, onde Antonio esteve]. Entrar com uma câmara oculta num sítio com 200 cabeças rapadas... Não sou nenhum valentão. Passei muito mal.

Sentiu muitos momentos de empatia com eles?
Se estamos durante um ano a conviver dia e noite com um grupo de pessoas, a comer com eles, a dormir com eles, a conhecer os seus pais, eles tornam-se os nossos camaradas. Cria-se um vínculo afectivo e eu vivia com a ideia de que os estava a enganar. Houve dois ou três momentos em que senti uma tentação enorme de lhes dizer: «Sou um jornalista que te está a gravar com uma câmara oculta.»

Hoje continua a viver com medo...
Sim. Andam à minha procura por toda a Espanha. Mas, apesar de tudo, aqui em Espanha, eles já se aperceberam que é mais seguro matar vagabundos. As estatísticas mostram que aumentaram o número de homicídios de vítimas sem papéis. O que coincide com o aumento do número de nazis nessa zona.

Foi um polícia que o denunciou aos neonazis. É a prova de que eles estão infiltrados em sectores importantes da sociedade?
Sim. A maior prova é o caso de Lucrecia Perez, assassinada [em 1992] por um guarda civil neonazi. Os skins gostam das armas, do mundo militar, da violência, da hierarquia. Uma imensa maioria, como o caso de Machado, é segurança porque não conseguiu entrar na polícia. Há uma relação directa com as forças militares. Há muitas famílias de militares que apoiaram Franco e Salazar... Os seus filhos e netos tentam seguir os seus passos.

Qual foi o seu preconceito que se revelou mais errado?
Que eram um bando de ignorantes e que era fácil enganá-los. Não fazia ideia das suas ligações ao futebol e ao Islão, por exemplo.

Confessa, no livro, que uma das razões que tornaria este trabalho mais difícil é a sua extrema distância à ideologia nazi. Agora que os conhece melhor do que nunca, despreza-os mais ou compreende-os melhor?
Entendo porque fazem o que fazem, porque pensam o que pensam, mas sei que estão enganados.

publicado por Notasenroladas às 13:18
link do post | comentar | favorito
Sábado, 26 de Maio de 2007

Universidade Moderna

A Universidade Moderna (UM) negou hoje a existência de uma crise na instituição, alegando que os professores estão a cumprir "com qualidade" o plano curricular das licenciaturas e que não existe nenhum movimento significativo de transferências de alunos.

Numa comunicação sem direito a perguntas por parte dos jornalistas, o vice-reitor Fernando Cardoso afirmou que "as notícias veiculadas sobre a Universidade Moderna de Lisboa por parte de alguns órgãos de comunicação social, ontem, são falsas".

No entanto, não foi feita qualquer referência à existência de ordenados em atraso desde 2003, uma situação denunciada à Lusa pelo professor Carlos Roda, que intentou um processo por despedimento ilegal que afirma ter sido deferido pelo Tribunal do Trabalho de Cascais mas não cumprido pela instituição.

O vice-reitor rejeitou ser confrontado com a existência de uma alegada dívida de 326 mil euros a um ex-advogado e ex-professor da instituição.

De acordo com Fernando Cardoso, as duas reuniões que decorreram ontem com alunos e professores "não tiveram carácter de urgência" e serviram apenas para abordar "as perspectivas da universidade".

Os professores "estão a cumprir o plano curricular das licenciaturas", afirmou, adiantando que apenas um docente "decidiu desvincular a sua actividade da universidade", estando já a decorrer o seu processo de substituição. Fernando Cardoso não especificou qual o docente em causa nem os motivos pelos quais se desvinculou.

Relativamente aos alunos, o vice-reitor afirmou que no ano passado 22 alunos pediram certificados, o que disse "não implicar transferências efectivas". Já este ano apenas foram pedidos 15 certificados e no primeiro ano de licenciaturas o número total de alunos triplicou em relação ao anterior.

Apesar disso, o vice-reitor não esclareceu quantos pedidos de transferência foram efectivamente concretizados pelos estudantes. Na mesma declaração, o responsável acrescentou que a instituição está "devidamente equipada" a nível de material informático, dispondo de um computador por cada oito alunos.

Quanto às infra-estruturas da universidade, Fernando Cardoso disse que estão a ser alvo de obras de manutenção, não existindo "qualquer situação de degradação que impeça o normal funcionamento" da instituição.

O responsável adiantou ainda que o Instituto de Ensino e Investigação em Audiovisuais e Tecnologias da Comunicação, cujo serviço estaria inexplicavelmente fechado, segundo fontes ligadas à universidade ouvidas pela Lusa, é "uma entidade autónoma" e não parte integrante da estrutura da Moderna, "pelo que a respectiva gestão é da inteira responsabilidade da sua administração". Fernando Cardoso deixou por esclarecer quem é efectivamente o responsável pelo IAT.


publicado por Notasenroladas às 19:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Maio de 2007

Apartamento para Venda

Cacém, Elias Garcia, óptimo apartamento de 3 ass com grande áreas . Sala 29m2 , quartos 15 e 13m2 , cozinha 17m2 , despensa, W.C. completa e Arrecadação. Só tem 14 anos e é um 1ºAndar . Fica perto de todos os serviços, mesmo no centro e o preço é óptimo , a avaliação é garantida,   17000 cts.

Contacto 938436332

publicado por Notasenroladas às 12:24
link do post | comentar | favorito
Domingo, 6 de Maio de 2007

Pensamento do dia

                   


                    Quis ver até onde ia a estupidez humana. Conclui que não tem limites.
sinto-me: Benne
música: Combustão Espontânea de SK6

publicado por Notasenroladas às 14:21
link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Maio de 2007

O Corpo Humano como nunca se viu


Chega a Lisboa a exposição "sensação" que já esteve em cidades como São Paulo, Londres ou Miami. Em mostra estão 17 corpos humanos inteiros e mais de 250 órgãos, submetidos a uma "plastificação". Até 30 de Setembro no Palácio dos Condes do Restelo, em Lisboa (Príncipe Real).
Esta mostra "blockbuster" tem a intenção de mostrar "os mistérios do (...) corpo e da sua existência" e desempenhar um papel pedagógico junto do público. São nove salas temáticas, que nos vão mostrando corpos humanos "plastificados" (o método de conservação - "preservação por polímeros") e que nos podem ilucidar acerca do nosso sistema nervoso, vascular, respiratório, digestivo, reprodutivo, entre outros. Alguns dos corpos encontram-se em posições sugestivas como um "pensador", um lançador de disco ou um guarda-redes a apanhar uma bola de futebol. Esta exposição já gerou polémica, relacionada com a origem dos corpos utilizados mas o sucesso e receitas é imenso - neste momento estão também patentes mostras idênticas à de Lisboa em cidades como Nova Iorque, Washington, San Diego, Las Vegas e Durham (Carolina do Norte).

publicado por Notasenroladas às 11:40
link do post | comentar | favorito

Peste & Sida

   Amanhã vou rever os Peste & Sida, uma banda que sempre gostei desde puto e acabou por me marcar para todo o sempre. Entretanto o som deles alterou-se, eles mesmo durante bastante tempo deixaram de tocar, mas vou com o entuito de houvir as velhas malhas de preferencia as do primeiro album. Este post serve também para relenbrar o meu grande amigo Rui, que infelizmente já faleceu, com quem tive o prazer de ir ver o ultimo Concerto de Peste. Na altura devia ter 16 anos, que entretanto já dobrei, ele devia ter uns 18 e fomos de L.V. para a Amadora ver Peste e acreditem que foi um grande concerto. Nunca mais vi Peste na minha vida.
  
     Onde quer que estejas lembrar-me-ei sempre de ti Rui. Paz.
sinto-me: Melancólico, Saudosista
música: Veneno

publicado por Notasenroladas às 10:39
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Maio de 2007

Ponte Sobre o Tejo

A primeira ideia sobre a construção de uma ponte que viesse a ligar a cidade de Lisboa à margem esquerda do Rio Tejo remonta ao ano de 1876.

Nessa altura, o engenheiro Miguel Pais sugere que a sua construção seja feita entre Lisboa e Montijo. Em 1888 , um engenheiro norte-americano, de nome Lye , propõe que a ponte seja construída entre a zona do Chiado, em Lisboa, e Almada.

No ano de 1889, dois engenheiros franceses, de nome Bartissol e Seyrig , sugerem a ligação rodoviária e ferroviária a partir da zona da Rocha Conde de Óbidos, do lado de Lisboa, e Almada. Logo no ano seguinte, surge uma nova proposta, feita por uma empresa alemã, que propunha a ligação entre a zona do Beato, do lado de Lisboa, e o Montijo. Esta ideia teve bastante aceitação por parte da opinião pública.

Já no século vinte, no ano de 1913, o governo português recebe uma sugestão para a construção de uma ponte, retomando a ligação entre a zona da Rocha Conde de Óbidos e Almada. Esta proposta é reatada, em 1921, pelo engenheiro espanhol Alfonso Peña Boeuf " class="new" href="http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Alfonso_Pe%C3%B1a_Boeuf&action=edit" Alfonso Peña Boeuf , chegando o seu projecto a ser discutido no Parlamento português. Decorria o ano de 1929, quando o engenheiro português António Belo solicita a concessão de uma via férrea a estabelecer sobre o Rio Tejo, a partir da zona do Beato, em Lisboa, e o Montijo.

Perante esta iniciativa, o ministro das Obras Públicas, Duarte Pacheco, acaba por nomear, no ano de 1933, uma Comissão, com o fim de analisar a proposta em causa, tendo ele próprio, apresentado, em 1934, uma proposta ao Governo, de que fazia parte, para a construção de uma ponte rodo-ferroviária sobre o Rio Tejo.

Contudo, todas estas propostas vão acabando por serem todas preteridas, em favor das obras da ponte de Vila Franca de Xira.

Só no ano de 1953 é que o Governo português cria uma Comissão com o objectivo de estudar e apresentar soluções sobre a questão do tráfego ferroviário e rodoviário entre Lisboa e a chamada margem sul do Rio Tejo.

Finalmente, em 1958, os governantes portugueses decidem-se, oficialmente, pela construção de uma ponte.

No ano seguinte, é aberto um concurso público internacional, para sejam apresentadas propostas para a sua construção. Após a apresentação de quatro propostas, o que aconteceu no ano de 1960, a obra é adjudicada à empresa norte-americana United States Steel Export Company " class="new" href="http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=United_States_Steel_Export_Company&action=edit" United States Steel Export Company , que, já em 1935, tinha apresentado um projecto para a sua construção.

A 5 de Novembro de 1962 iniciam-se os trabalhos de construção. Menos de quatro anos após o início destes, ou seja, passados 45 meses, a ponte sobre o Tejo é inaugurada (seis meses antes do prazo previsto), cerimónia que decorreu no dia 6 de Agosto de 1966, do lado de Almada, na presença das mais altas individualidades portuguesas, das quais se destacam o Presidente da República, Almirante Américo de Deus Rodrigues Tomás, o Presidente do Governo, António de Oliveira Salazar e o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Gonçalves Cerejeira, passando a ser chamada, oficialmente, por Ponte Salazar.

Logo a seguir à Revolução de 25 de Abril de 1974, o seu nome é mudado para Ponte 25 de Abril. O seu custo rondou, preço à época da sua construção, o valor de dois milhões e duzentos mil contos, o que corresponde, sem ajustes à inflação , a perto de onze milhões de euros.

Ainda que projectada para suportar, em simultâneo, tráfego ferroviário e rodoviário, nesta fase só fica preparada para a passagem de veículos rodoviários. É em 1990, que o Governo português procede à elaboração de um projecto para a instalação do tráfego ferroviário, através da montagem de um novo tabuleiro, alguns metros abaixo, do tabuleiro do trânsito rodoviário, já em funcionamento. A 30 de Julho de 1999 é inaugurada este novo tipo de travessia.

As consequências resultantes desta travessia não se fizeram esperar, desde a sua entrada em funcionamento, designadamente no que se refere à explosão urbanística que surgiu na margem esquerda do Rio Tejo, de Almada a Setúbal, estimulando, igualmente, o crescimento económico e turístico do sul de Portugal, destacando-se, neste caso, a região do Algarve.

Desde o início do seu funcionamento que a circulação rodoviária é intensa, do que resultam situações de congestionamento automóvel diárias. Esclarecedores são os números referentes ao início do ano de 2006: passam na Ponte 25 de Abril sete mil carros, nos dois sentidos, na “hora de ponta” e cento e cinquenta mil, em média, por dia, o que corresponde a mais de 300 mil utilizadores diários.

Também a circulação ferroviária é intensa, correspondendo esta à passagem de 157 comboios, diariamente, nos dois sentidos, transportando estes cerca de oitenta mil passageiros dia.

Só no ano de 2005 foram transportados 21 milhões de utentes pela via ferroviária.

A grandeza e a imponência da Ponte 25 de Abril está bem expressa no facto de, à data da sua inauguração, ser a quinta maior ponte suspensa do mundo e a maior fora dos Estados Unidos da América. Passados quarenta anos, após a sua inauguração, ocupa, agora, o 17º lugar, a nível mundial.


    Sabem qual foi a derrapagem na construção da Ponte Sobre o Tejo?


    NÃO HOUVE.


publicado por Notasenroladas às 18:13
link do post | comentar | favorito

Aeroporto da OTA

   Sou a favor das Obras Publicas pois estas são a força motriz  desta economia debilitada pois originam empregos, mais impostos , mais consumo etc etc .
   O Aeroporto da Portela está saturado, todos os dias há em media 6 aterragens de emergência neste aeroporto citadino e felizmente não tem acontecido desgraças o que bem podemos agradecer atendendo à localização do mesmo. Assim conclui-se facilmente que é preciso construir outro aeroporto na área metropolitana de Lisboa e com urgência pois devido à incapacidade do aeroporto da Portela de receber  mais aterragens estamos a perder  fluxos financeiros.
   Assim chegou-se à conclusão que é preciso um aeroporto, urgentemente. Concordo plenamente.
   A questão que se coloca é que o aeroporto a fazer na OTA só terá um período de vida útil de 30 anos o que Eu considero um período deveras pequeno atendendo ao investimento a realizar. Andaram tantos anos a fazer estudos de impacto ambiental, de acessibilidades e o mais importante ficou para ultimo e agora vem colocar na nossa cara que só terá 30 anos de vida útil . Para mim é muito curto mas tem a vantagem é que daqui a 30 anos teremos que nos preocupar em construir outro aeroporto, poderá ser positivo , mais obras, mais emprego, mais impostos, mais consumo etc etc .
  O túnel do Marques lá saiu. Mais uma obra publica que ficou bem cara, com uma grande derrapagem monetária e temporal, foi bom., mais ordenados, mais impostos, mais consumo, mais tachos, etc etc .
    O nosso problema é que quem decide não tem pulso e assim surgem todas as situações, providencias cautelares, arrastar-se as decisões durante tempos indeterminados e depois dão uma decisão limitada a trinta anos, para rir.
  Em seguida noticia do DN
    Tempo de vida da Ota joga a favor da Margem Sul

A distância não joga a favor da Ota, que fica a cerca de 48 km de Lisboa. A ligação entre a gare do Oriente e o futuro aeroporto irá demorar 17 minutos num comboio desenvolvido especificamente para esta ligação. Os terrenos disponíveis na Ota estão calculados em 1,8 mil hectares, onde serão construídas apenas duas pistas de 2700 metros. Esta é aliás uma das desvantagens apontadas para a Ota, o aeroporto não terá capacidade de expansão futura e esgota-se ao fim de 23 anos. Na altura voltará a colocar-se a questão que envolve actualmente a Portela. O envolvimento urbanístico existente na Ota é considerável, impedindo o seu alargamento. Os defensores do aeroporto na Ota consideram a solução "possível, mas não a ideal". E baseiam a sua escolha nas conclusões dos estudos de impacte ambiental, que chumbou Rio Frio.

Outro dos argumentos contra a Ota prende-se com os problemas de construção civil, sendo necessário realizar grandes movimentações de terras, avaliada em cerca de 50 milhões de metros cúbico. Arménio Matias fez as contas e diz que a terra que terá de ser retirada do perímetro do aeroporto dá para "construir um muro ao longo da fronteira com Espanha de dez metros de altura por dez de espessura, ou um campo de futebol com cinco quilómetros de altura". Na Ota existem vários morros e o terreno é muito acidentado. A construção do futuro aeroporto implicará a construção de uma barragem de protecção à infraestrutura aeroportuária e o desvio de três ribeiras. As condições meteorológicas são piores que as existentes na zona Sul. Na Ota serão destruídos cerca de 5406 sobreiros, um valor menor face aos que teriam de ser abatidos em Rio Frio. O aeroporto da Ota ficará ligado à rede ferroviária através da linha do Norte e está previsto a passagem da linha de alta velocidade junto ao aeroporto. A especulação imobiliária nos terrenos envolventes, é um ponto negativo na Ota.
sinto-me: Bem
música: Furo na Cabeça de Peste & Sida

publicado por Notasenroladas às 17:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Reabertura de Blog

. Fim deste Blog

. Os Podres do Grande Minis...

. O Grande Ministro

. O Nosso Pais

. Ainda Socrates

. Taça da Liga

. Ambiente criado pelos med...

. Filha de Baltazar

. Obama

.arquivos

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds